Taiwan: Simulação de jogo de guerra sugere que a invasão chinesa de Taiwan falharia com um custo enorme para os militares dos EUA, China e Taiwan



CNN

Uma invasão chinesa de Taiwan em 2026 resultaria em milhares de baixas entre as forças chinesas, americanas, taiwanesas e japonesas, e seria improvável que resultasse em uma vitória para Pequim, de acordo com um proeminente think tank independente de Washington, que conduziu simulações de jogos de guerra de um possível conflito. isso está preocupando líderes militares e políticos na Ásia e em Washington.

Uma guerra por Taiwan poderia deixar um exército vitorioso dos EUA em um estado tão aleijado quanto as forças chinesas que ele derrotou.

No final do conflito, pelo menos dois porta-aviões dos EUA estariam no fundo do Pacífico e a marinha moderna da China, que é a maior do mundo, estaria em “estilhaços”.

Essas são algumas das conclusões do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), após conduzir o que afirma ser um dos mais extensos simulações de jogos de guerra jamais conduzido em um possível conflito sobre Taiwan, a ilha democraticamente governada de 24 milhões de habitantes que o Partido Comunista Chinês reivindica como parte de seu território soberano, apesar de nunca tê-la controlado.

O líder chinês Xi Jinping recusou-se a descartar o uso de força militar para colocar a ilha sob o controle de Pequim.

A CNN revisou uma cópia antecipada do relatório – intitulado “A primeira batalha da próxima guerra” – sobre as duas dúzias de cenários de guerra executados pelo CSIS, que diziam que o projeto era necessário porque as simulações de guerra privadas e governamentais anteriores eram muito estreitas ou muito opacas. para dar ao público e aos formuladores de políticas uma visão real de como o conflito no Estreito de Taiwan pode se desenrolar.

“Não há jogo de guerra não confidencial olhando para o conflito EUA-China”, disse Mark Cancian, um dos três líderes do projeto e consultor sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. “Dos jogos que não são classificados, eles geralmente são feitos apenas uma ou duas vezes.”

O CSIS executou este jogo de guerra 24 vezes para responder a duas questões fundamentais: a invasão teria sucesso e a que custo?

As respostas prováveis ​​a essas duas perguntas são não e enormes, disse o relatório do CSIS.

“Os Estados Unidos e o Japão perdem dezenas de navios, centenas de aeronaves e milhares de militares. Tais perdas prejudicariam a posição global dos EUA por muitos anos”, disse o relatório. Na maioria dos cenários, a Marinha dos EUA perdeu dois porta-aviões e 10 a 20 grandes combatentes de superfície. Aproximadamente 3.200 soldados dos EUA seriam mortos em três semanas de combate, quase metade do que os EUA perderam em duas décadas de combate no Iraque e no Afeganistão.

“A China também sofre muito. Sua marinha está em frangalhos, o núcleo de suas forças anfíbias está quebrado e dezenas de milhares de soldados são prisioneiros de guerra”, afirmou. O relatório estimou que a China sofreria cerca de 10.000 soldados mortos e perderia 155 aeronaves de combate e 138 navios principais.

– Source:
CNN
” data-fave-thumbnails=”{“big”:{“uri”:”https://media.cnn.com/api/v1/images/stellar/prod/220417075511-essing-japan-defense-pkg.jpg?c=16×9&q=h_540,w_960,c_fill”},”small”:{“uri”:”https://media.cnn.com/api/v1/images/stellar/prod/220417075511-essing-japan-defense-pkg.jpg?c=16×9&q=h_540,w_960,c_fill”}}” data-vr-video=”” data-show-name=”” data-show-url=”” data-check-event-based-preview=”” data-network-id=”” data-details=””>

PKG DE DEFESA DO JAPÃO ESSING

Japão expande a defesa de sua linha de frente sul para combater a China (abril de 2022)

Os cenários pintam um futuro sombrio para Taiwan, mesmo que uma invasão chinesa não seja bem-sucedida.

“Embora o exército de Taiwan esteja ininterrupto, ele está severamente degradado e deixado para defender uma economia danificada em uma ilha sem eletricidade e serviços básicos”, o relatório. O exército da ilha sofreria cerca de 3.500 baixas, e todos os 26 contratorpedeiros e fragatas de sua marinha seriam afundados, disse o relatório.

O Japão provavelmente perderá mais de 100 aeronaves de combate e 26 navios de guerra, enquanto as bases militares dos EUA em seu território de origem estiverem sob ataque chinês, segundo o relatório.

Mas o CSIS disse que não queria que seu relatório insinuasse que uma guerra por Taiwan “é inevitável ou mesmo provável”.

“A liderança chinesa pode adotar uma estratégia de isolamento diplomático, pressão de zona cinzenta ou coerção econômica contra Taiwan”, afirmou.

Dan Grazier, pesquisador sênior de política de defesa do Projeto de Supervisão Governamental (POGO), vê uma invasão chinesa de Taiwan como extremamente improvável. Tal operação militar interromperia imediatamente as importações e exportações das quais a economia chinesa depende para sua própria sobrevivência, disse Grazier à CNN, e interromper esse comércio arrisca o colapso da economia chinesa em pouco tempo. A China depende de importações de alimentos e combustível para impulsionar seu motor econômico, disse Grazier, e eles têm pouco espaço de manobra.

“Os chineses farão tudo o que puderem, na minha opinião, para evitar um conflito militar com qualquer pessoa”, disse Grazier. Para desafiar os Estados Unidos pelo domínio global, eles usarão o poder industrial e econômico em vez da força militar.

Mas os líderes do Pentágono rotularam a China como a “ameaça de ritmo” dos Estados Unidos, e a ameaça do ano passado Relatório do Poder Militar da China mandatado pelo Congresso disse que “o PLA aumentou as ações provocativas e desestabilizadoras dentro e ao redor do Estreito de Taiwan, para incluir o aumento de voos na zona de identificação de defesa aérea reivindicada por Taiwan e a realização de exercícios focados na possível apreensão de uma das ilhas periféricas de Taiwan”.

Em agosto, a visita da então presidente da Câmara, Nancy Pelosi, à ilha gerou uma ampla exibição do poderio militar do PLA, que incluiu o envio de mísseis sobre a ilha e também para as águas da zona econômica exclusiva do Japão.

– Source:
CNN
” data-fave-thumbnails=”{“big”:{“uri”:”https://media.cnn.com/api/v1/images/stellar/prod/221019113116-china-taiwan-1.jpg?c=16×9&q=h_540,w_960,c_fill”},”small”:{“uri”:”https://media.cnn.com/api/v1/images/stellar/prod/221019113116-china-taiwan-1.jpg?c=16×9&q=h_540,w_960,c_fill”}}” data-vr-video=”” data-show-name=”” data-show-url=”” data-check-event-based-preview=”” data-network-id=”” data-details=””>

china taiwan 1

Veja por que a ameaça da China a Taiwan é ‘enorme e imediata’

Desde então, Pequim intensificou táticas de pressão militar agressiva na ilha, enviando caças através da linha mediana do Estreito de Taiwan, o corpo de água que separa Taiwan e China e na zona de identificação de defesa aérea da ilha – um tampão do espaço aéreo comumente referido para como um ADIZ.

E falando sobre Taiwan no 20º Congresso do Partido Comunista Chinês em outubro, o líder chinês Xi Jinping ganhou muitos aplausos quando disse que a China “se esforçaria pela reunificação pacífica” – mas depois fez um aviso sombrio, dizendo “nunca prometeremos renunciar ao uso de força e nos reservamos a opção de tomar todas as medidas necessárias.”

O governo Biden tem sido firme em seu apoio à ilha, conforme previsto na Lei de Relações com Taiwan, que diz que Washington fornecerá à ilha os meios para se defender sem comprometer tropas americanas nessa defesa.

A Lei de Autorização de Defesa Nacional recentemente assinada compromete os EUA com um programa para modernizar as forças armadas de Taiwan e fornece US$ 10 bilhões em assistência de segurança ao longo de cinco anos, um forte sinal de apoio bipartidário de longo prazo para a ilha.

Biden, no entanto, disse mais de uma vez que o pessoal militar dos EUA defenderia Taiwan se os militares chineses iniciassem uma invasão, mesmo quando o Pentágono insistiu que não há mudança na política de “Uma China” de Washington.

Sob a política de “Uma China”, os EUA reconhecem a posição da China de que Taiwan faz parte da China, mas nunca reconheceram oficialmente a reivindicação de Pequim à ilha autônoma.

“As guerras acontecem mesmo quando a análise objetiva pode indicar que o invasor pode não ser bem-sucedido”, disse Cancian.

O relatório do CSIS disse que as tropas dos EUA impediram que a China assumisse o controle de Taiwan, havia quatro constantes que surgiram entre as 24 iterações de jogos de guerra que ele executou:

As forças terrestres de Taiwan devem ser capazes de conter as cabeças-de-ponte chinesas; os EUA devem poder usar suas bases no Japão para operações de combate; os EUA devem ter mísseis antinavio de longo alcance para atingir a PLA Navy de longe e “em massa”; e os EUA precisam armar totalmente Taiwan antes do início do tiroteio e entrar imediatamente em qualquer conflito com suas próprias forças.

– Source:
CNN
” data-fave-thumbnails=”{“big”:{“uri”:”https://media.cnn.com/api/v1/images/stellar/prod/220819143103-china-amb-nicholas-burns-vpx.jpg?c=16×9&q=h_540,w_960,c_fill”},”small”:{“uri”:”https://media.cnn.com/api/v1/images/stellar/prod/220819143103-china-amb-nicholas-burns-vpx.jpg?c=16×9&q=h_540,w_960,c_fill”}}” data-vr-video=”” data-show-name=”” data-show-url=”” data-check-event-based-preview=”” data-network-id=”” data-details=””>

China Amb Nicholas Burns vpx

Ruptura nas relações EUA-China é uma ‘crise fabricada’, diz embaixador dos EUA (agosto de 2022)

“Não existe um ‘modelo ucraniano’ para Taiwan”, disse o relatório, referindo-se a como a ajuda dos EUA e do Ocidente lentamente chegou à Ucrânia bem depois que a invasão russa de seu vizinho começou e nenhuma tropa dos EUA ou da OTAN está lutando ativamente contra a Rússia.

“Uma vez que a guerra começa, é impossível enviar tropas ou suprimentos para Taiwan, então é uma situação muito diferente da Ucrânia, onde os Estados Unidos e seus aliados conseguiram enviar suprimentos continuamente para a Ucrânia”, disse Cancian. “Seja lá o que for que os taiwaneses vão usar para lutar na guerra, eles terão que ter isso quando a guerra começar.”

Washington precisará começar a agir logo se quiser atender a algumas das recomendações do CSIS para obter sucesso em um conflito em Taiwan, disse o think tank.

Isso inclui fortalecer as bases americanas no Japão e Guam contra ataques de mísseis chineses; movendo suas forças navais para navios menores e mais resistentes; priorizando submarinos; priorizando forças de bombardeiros sustentáveis ​​sobre forças de caça; mas produzindo caças mais baratos; e empurrando Taiwan para uma estratégia semelhante, armando-se com plataformas de armas mais simples, em vez de navios caros que dificilmente sobreviveriam a um primeiro ataque chinês.

Essas políticas tornariam a vitória menos custosa para os militares dos EUA, mas o preço ainda seria alto, disse o relatório do CSIS.

“Os Estados Unidos podem obter uma vitória de Pirro, sofrendo mais a longo prazo do que os chineses ‘derrotados’.”

“A vitória não é tudo”, disse o relatório.

– Source:
CNN
” data-fave-thumbnails=”{“big”:{“uri”:”https://media.cnn.com/api/v1/images/stellar/prod/220915114751-china-russia-economic-ties-sebastian-pkg-intl-hnk-vpx-00005713.png?c=16×9&q=h_540,w_960,c_fill”},”small”:{“uri”:”https://media.cnn.com/api/v1/images/stellar/prod/220915114751-china-russia-economic-ties-sebastian-pkg-intl-hnk-vpx-00005713.png?c=16×9&q=h_540,w_960,c_fill”}}” data-vr-video=”” data-show-name=”” data-show-url=”” data-check-event-based-preview=”” data-network-id=”” data-details=””>

China Rússia laços econômicos sebastian pkg intl hnk vpx_00005713.png

Invasão russa da Ucrânia revela ‘limites’ das relações Rússia-China

.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *