Rússia está enviando mais tropas para o leste da Ucrânia, diz Kyiv: atualizações ao vivo

Crédito…Olga Maltseva/Agence France-Presse — Getty Images

Foi uma transformação notável. Quase um ano desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, o chefe do maior grupo mercenário da Rússia, que há muito negava laços com os militares, tornou-se, de certa forma, a face pública do esforço de guerra de Moscou.

Yevgeny Prigozhin, o fundador da empresa militar privada Wagner, veio para exemplificar os forasteiros do Kremlin que estão desafiando as elites tradicionais da Rússia, destacando como os reveses de Moscou na Ucrânia estão mudando a estrutura de poder do país, dizem analistas.

Nos últimos meses, Prigozhin tentou se posicionar como o líder militar indispensável do Kremlin, embora tenha intensificado suas críticas ao Ministério da Defesa russo. Ele reforçou as dizimadas fileiras de combatentes da Rússia com dezenas de milhares de condenados recrutados para sua força mercenária, concedeu medalhas, visitou cemitérios militares e, de acordo com seus vídeos frequentes, apareceu inesperadamente nas seções mais difíceis da linha de frente.

Esta semana, Prigozhin se apresentou como o mentor do que ele apresentou como o maior sucesso militar da Rússia em meses: um avanço na cidade de Soledar, no leste da Ucrânia.

De pé em traje de batalha completo, o Sr. Prigozhin apareceu cercado por seus lutadores no que ele alegou serem as minas de sal abaixo de Soledar, de acordo com fotografias divulgadas na noite de terça-feira por agências de notícias estatais russas e mídias sociais afiliadas a Wagner. O Sr. Prigozhin afirmou que a cidade estava totalmente sob seu controle e assumiu todo o crédito pelo aparente sucesso.

“Nenhuma outra força além dos combatentes do PMC Wagner participou do ataque a Soledar”, disse Prigozhin. em uma mensagem de áudio publicado no aplicativo de mensagens Telegram, usando um acrônimo russo para empresas militares privadas.

A Ucrânia contestou sua reivindicação de uma vitória completa, dizendo na quarta-feira que os combates continuavam na parte oeste da cidade.

Notavelmente, as alegações do Sr. Prigozhin também foram contestadas pelo Kremlin e pelos militares russos. O Ministério da Defesa da Rússia disse na quarta-feira que suas unidades regulares estavam “lutando na cidade”, e Dmitri S. Peskov, porta-voz do Kremlin, disse que a captura de Soledar seria um sucesso tático importante, mas caro, em vez de uma reviravolta. apontar.

Foi apenas o mais recente sinal de tensões entre Wagner e as forças armadas russas, que, segundo analistas, mostram que há uma luta pelo favorecimento do presidente Vladimir V. Putin à medida que a perspectiva militar na Ucrânia piora.

No final de dezembro, os caças Wagner lançaram um vídeo cheio de palavrões dirigido ao alto comando militar, no qual o acusavam de reter munições e causar a morte de seus companheiros. Prigozhin respondeu ao vídeo dizendo: “Quando você está sentado em um escritório quente, é difícil ouvir os problemas da linha de frente”, em aparente referência aos generais.

E na semana passada, um importante canal de notícias do Telegram afiliado ao Sr. Prigozhin, chamado Gray Zone, desacreditou a afirmação do Ministério da Defesa que matou 600 militares ucranianos em um ataque aéreo, ao publicar fotos de um prédio intacto que foi supostamente destruído.

As tentativas de Prigozhin de levar o crédito pela vitória em Soledar mostram sua crescente ambição política e sublinham como pessoas de fora do Kremlin estão desafiando o círculo tradicional de Putin após os reveses da Ucrânia, disse Abbas Gallyamov, ex-redator de discursos do presidente, que rompeu relações com dele.

Gallyamov disse que Prigozhin está tentando substituir o ministro da Defesa da Rússia, Sergei K. Shoigu, um antigo confidente de Putin, a quem muitos ultranacionalistas russos culpam pelos desastres militares na Ucrânia.

“Putin agora depende tanto de quão eficaz será seu exército que, ao escolher um novo ministro, ele não pensará em nada além de como aumentar essa eficácia”, disse Gallyamov. escreveu em um post no Facebook. “Eu costumava pensar em nomear Prigozhin como ministro como uma loucura, mas ultimamente tanto está acontecendo em nosso país que você não pode descartar nada.”

Oleg Matsnev contribuiu com pesquisas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *