Regulador alerta para malware bancário ‘Godfather’ – DW – 01/09/2023

As autoridades financeiras alemãs alertaram na segunda-feira os consumidores de que o malware conhecido como “Godfather” está atacando cerca de 400 aplicativos bancários e de criptomoedas em todo o mundo, “incluindo os de provedores na Alemanha”.

Autoridade Federal de Supervisão Financeira (BaFin) disse em um comunicado na segunda-feira, não estava claro como o malware infectou os dispositivos dos consumidores, mas atualmente estava registrando a entrada do usuário em aplicativos bancários e criptográficos.

Embora a BaFin ainda não tenha verificado como o software entra em aparelhos elétricos, a autoridade sabe que o Trojan “Godfather” tenta induzir as pessoas a inserir seus detalhes de login em simulações de aplicativos bancários oficiais. Ele pode adquirir os detalhes de login e transmiti-los aos criminosos cibernéticos.

O malware também envia notificações push para obter códigos de autenticação de dois fatores. Com esses dados, os indivíduos ou equipes de pessoas que usam a tecnologia para cometer atividades maliciosas podem acessar as contas e carteiras dos consumidores, disse BaFin.

Cidadãos ofereceram conselhos de segurança

Em um vídeo do Escritório Federal Alemão de Segurança da Informação (BSI), os consumidores receberam conselhos sobre como usar aplicativos com segurança em dispositivos móveis.

Informações sobre o malware também estão disponíveis no site do BSI.

Os avisos sobre o “Poderoso Chefão” surgiram pela primeira vez em dezembro, com relatórios sugerindo que o malware estava afetando dispositivos Android, visando usuários em 16 países.

Especialistas em segurança cibernética do Group-IB descobriram o “Padrinho” pela primeira vez em 2021, mas o Trojan passou por atualizações de código significativas desde então, resultando em um aumento na atividade nos últimos meses.

Revolução através do Metaverso?

Para ver este vídeo, ative o JavaScript e considere atualizar para um navegador da Web que suportes de vídeo HTML5

jsi/msh (Reuters)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *