Refugiado sírio que vivia em aeroporto ganha cidadania canadense | Notícias sobre Refugiados

Quarta-feira marca um marco há muito esperado para o refugiado sírio Hassan Al Kontar. Depois de anos de incerteza – incluindo sete meses passados ​​em um aeroporto da Malásia – Al Kontar finalmente se tornou um cidadão canadense.

“Hoje é uma espécie de declaração de vitória depois de todos esses anos”, disse Kontar à Al Jazeera durante um telefonema pouco antes da cerimônia de cidadania. “Hoje não sou mais apátrida.”

Agora com 41 anos, Al Kontar ganhou a atenção do mundo pela primeira vez em 2018, quando começou a narrar sua provação no aeroporto nas redes sociais. Tendo fugido da guerra na Síria, Al Kontar se viu preso no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur sem documentos legais de imigração, incapaz de sair ou viajar para outro país.

Suas postagens atraíram a simpatia de todo o mundo e chamaram a atenção para o processo labiríntico que muitos requerentes de asilo atravessam enquanto tentam escapar da violência e da perseguição.

Enquanto se preparava para fazer o juramento de cidadania do Canadá na quarta-feira, Al Kontar disse que sua longa luta para encontrar refúgio foi finalmente justificada. Mas ele também refletiu sobre os sacrifícios que fez para chegar a esse ponto.

“Por isso, perdi um país destruído. Não pude estar ao lado do meu pai quando ele mais precisou de mim ou ao seu lado quando ele faleceu. Assisti ao casamento do meu irmão pelo Skype quando estava preso no aeroporto. Fui preso e enfrentei um sistema racista”, disse Al Kontar à Al Jazeera.

Milhões de deslocados na guerra síria

Em 2011, durante protestos em massa em todo o mundo árabe, apelidados de “Primavera Árabe”, manifestantes na Síria saíram às ruas para exigir reformas democráticas. Mas diante de uma violenta repressão sob o comando do presidente sírio, Bashar Al-Assad, o que começou como um movimento de protesto logo se tornou uma guerra civil.

Mais de 350.000 pessoas foram mortas na década desde então, e mais de 13 milhões Os sírios foram deslocados, de acordo com as Nações Unidas. Destes últimos, mais de 6,6 milhões estão fora do país, muitos presos em campos de refugiados e presos no limbo legal.

Al Kontar disse à Al Jazeera que, em vez de receber apoio e assistência, os refugiados sírios muitas vezes se viram excluídos, pois os países aumentam as restrições à imigração e procuram manter os requerentes de asilo à distância.

Muitos arriscaram suas vidas em esforços desesperados para chegar à Europa, embarcando em jornadas mortais e freqüentemente pagando com suas vidas. Aqueles que chegam com segurança enfrentam um futuro incerto. Países como a Dinamarca tentaram enviar requerentes de asilo de volta à Síria devastada pela guerra.

“Todas as portas foram fechadas na nossa cara”, disse Al Kontar. “Nós, sírios, somos sobreviventes. Estamos tentando o nosso melhor. Mas o problema dos refugiados está aumentando e a maioria dos países não está cumprindo suas promessas”.

Uma longa provação

Al Kontar morou nos Emirados Árabes Unidos por 11 anos. Ele foi deportado em outubro de 2017 porque recusou um novo passaporte sírio, temendo ser forçado a retornar à Síria para servir nas forças armadas do regime de Assad.

Ele foi enviado para a Malásia, um dos poucos países onde os sírios podem receber um visto de entrada. Mas seu visto de turista de três meses logo expirou.

Al Kontar pagou uma multa pelo atraso no visto e tentou voar para o Equador, mas não foi autorizado a embarcar. Ele tentou ir para o Camboja, mas foi novamente enviado de volta para a Malásia.

Sem casa para onde voltar e sem estado para chamar de seu, Al Kontar passou mais de meio ano morando no terminal de transferência doméstica do Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur.

Foi nessa época que Al Kontar começou a documentar suas experiências cotidianas, compartilhando vídeos nas redes sociais mostrando, por exemplo, como é improvisar um corte de cabelo em um banheiro de aeroporto. Ele também falou sobre a situação enfrentada pelos refugiados sírios.

As coisas pioraram quando as autoridades malaias prenderam Al Kontar em outubro de 2018. Ele foi enviado para um centro de detenção, onde as autoridades disseram que tentariam deportá-lo para a Síria.

Imigrantes em centros de detenção em todo o mundo frequentemente passam por condições extenuantes e perigosas. O órgão de direitos humanos da Malásia, SUHAKAM, descreveu as instalações de detenção do país como “semelhantes à tortura”.

As postagens de Al Kontar nas redes sociais chamaram a atenção de um punhado de voluntários no Canadá, que entraram com um pedido de refúgio em seu nome. Após sua prisão, o Canadá o liberou para asilo e ele pousou em Vancouver em novembro de 2018.

Ao chegar, saiu do aeroporto e respirou o ar fresco. “Para mim, voltar a andar na rua e sentir o cheiro do ar puro não é uma coisa normal”, disse na época. “É o som e o cheiro da liberdade.”

anos de separação

Nos anos seguintes, Al Kontar trabalhou para se ajustar à vida no Canadá, superando obstáculos familiares a quem se adaptou à vida em um novo país: encontrar um emprego, preencher a papelada da imigração e conhecer um novo ambiente.

Seu primeiro emprego foi como barista, servindo chá e café enquanto seguia a carreira de assistente social na Cruz Vermelha. Agora, depois de dezenas de cursos online, esse objetivo se tornou realidade. Como parte da Cruz Vermelha Canadense, Al Kontar ajudou nos esforços de vacinação contra a COVID-19 e atua em uma equipe de recuperação de enchentes.

Ele também encontrou tempo para escrever um livro sobre suas experiências, intitulado Man at the Airport: How Social Media Saved My Life.

“Queremos contribuir para os países onde vivemos”, disse Al Kontar. “Seremos uma boa adição a qualquer comunidade em que vivamos.”

Agora, com a perspectiva de finalmente ter um passaporte canadense, Al Kontar espera poder realizar dois de seus sonhos: viajar para um campo de refugiados como assistente social para ajudar aqueles que lutam contra a apatridia e se reunir com sua família após quase 15 anos de separação.

Al Kontar conseguiu ajudar sua família a escapar da Síria e disse que eles moram no Egito há quatro meses. “Espero vê-los o mais rápido possível”, disse ele à Al Jazeera. “No futuro, vou trazê-los para morar no Canadá.”

Embora Al Kontar critique os governos que responderam à crise dos refugiados com um regime de muros, restrições e centros de detenção, ele disse que as pessoas no Canadá foram receptivas.

“As pessoas no Canadá são gentis e educadas”, disse ele. “Eles dizem ‘obrigado’ e ‘desculpe’ inúmeras vezes sem motivo aparente.”

Ele também gosta da beleza natural do Canadá e mudou para o bate-papo por vídeo para mostrar à Al Jazeera um grupo de veados se aproximando dele na neve.

“Acho que talvez eles tenham vindo comemorar comigo”, disse ele.

.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *