Allison Holthoff morre depois de esperar em Nova Scotia ER

Uma mãe canadense de três filhos morreu em agonia em um hospital da Nova Escócia depois de esperar por ajuda médica na sala de emergência por quase sete horas na véspera de Ano Novo – e agora seu marido viúvo está exigindo respostas.

Gunther Holthoff disse a repórteres no início desta semana que sua esposa de 37 anos, Allison, acordou em 31 de dezembro reclamando do que ela pensava ser uma dor de estômago.

Ele disse que Allison havia caído de um cavalo em setembro e vinha sofrendo de dores desde então, de acordo com reportagem da CTV News.

Ao longo do dia, seu estado se agravou e, após tomar banho, a mulher acabou escrevendo de dor no chão.

Holthoff levou Allison ao Cumberland Regional Health Care Center em Amherst, chegando lá pouco depois das 11h e carregando-a para dentro do prédio nas costas porque ela não conseguia andar.

O marido então pegou uma cadeira de rodas e levou a esposa para a sala de emergência. Ele disse que ela estava lutando para se sentar por causa da dor insuportável.

“Eu disse à enfermeira da triagem e à senhora atrás do balcão que estava piorando”, disse ele. “Ela não estava bem e estava com dor.”

A mãe canadense Allison Holthoff morreu na sala de emergência de um hospital depois de esperar sete horas por atendimento médico, de acordo com o marido.
Allison Holthoff morreu na sala de emergência de um hospital da Nova Escócia depois de esperar sete horas por atendimento médico, de acordo com o marido.
Ali Holthoff/Facebook

A equipe do hospital coletou amostras de sangue e urina de Allison, o que seu marido disse ter sido difícil porque ela estava com muita dor na época.

Allison foi instruída a se sentar na sala de espera, mas seu estado piorou a ponto de ela ter que deitar no chão em posição fetal.

Enquanto esperavam que um médico atendesse Allison, os seguranças trouxeram alguns cobertores para cobri-la e um copo d’água.

Foi então que Holthoff disse que sua esposa começou a dizer que achava que estava morrendo.

“Ela disse: ‘Acho que estou morrendo. Não me deixe morrer aqui’”, disse ele na segunda-feira.

Gunther Holthoff levou sua esposa ao Cumberland Regional Health Care Center, na Nova Escócia, na véspera de Ano Novo, quando ela acordou com dor de estômago.
Gunther Holthoff levou sua esposa ao Cumberland Regional Health Care Center, na Nova Escócia, na véspera de Ano Novo, depois que ela acordou com dor de estômago.
Google Maps

Às 15h, os Holthoff foram finalmente conduzidos a uma sala de exames, onde mais amostras de sangue foram coletadas do paciente.

Holthoff disse que foi à enfermaria cinco vezes, dizendo aos funcionários que sua esposa estava se sentindo pior. Ele disse que uma das enfermeiras perguntou se Allison era “sempre assim”.

Os olhos de Allison começaram a revirar em sua cabeça, levando a enfermeira a perguntar ao marido se a mãe casada usava drogas, ao que ele disse: “Não”.

Holthoff disse que Allison continuou dizendo que sentia como se estivesse morrendo.

Holthoff sentia dores desde que caiu de um cavalo em setembro.
Holthoff sentia dores desde que caiu de um cavalo em setembro.
Ali Holthoff/Facebook

Por volta das 18h – quase sete horas após a chegada dos Holthoffs ao hospital – Allison começou a gritar de dor e implorar por ajuda.

Outra enfermeira veio verificar seus sinais vitais e descobriu que seu pulso estava elevado e sua pressão arterial baixa.

“Tudo aconteceu rapidamente depois disso, todo mundo começou a pegar o ritmo”, disse o marido. “Foi a primeira vez que realmente senti que alguém estava prestando atenção em nós.”

Por fim, Allison foi vista por um médico pela primeira vez naquela tarde, recebendo fluidos intravenosos e analgésicos. Ela então fez um eletrocardiograma e foi levada para uma sala de raios-X.

Holthoff se afastou brevemente e, quando voltou, disse, encontrou sua esposa gritando: “Não consigo respirar. Estou com dor. Não me mova.

Os olhos de Allison reviraram nas órbitas novamente e um “código azul” foi chamado, alertando os médicos de que um paciente estava tendo uma parada cardíaca.

De acordo com Holthoff, Allison foi ressuscitada três vezes, mas foi tomada a decisão de não operá-la porque as chances de ela sobreviver à cirurgia eram mínimas devido ao seu estado.

Holthoff disse que um médico revelou a ele que uma tomografia computadorizada mostrou sangramento dentro do corpo de sua esposa, mas sua origem não pôde ser identificada.

“Eles tinham 1% de chance de mantê-la viva com a cirurgia, mas, naquele ponto, não havia muita chance de ela ter uma vida normal ou digna”, disse Holthoff.

Depois que o marido e seus três filhos se despediram de Allison, ela foi oficialmente declarada morta por volta das 23h30 – cerca de 12 horas depois de pisar pela primeira vez na sala de emergência.

Mais de uma semana depois, Holthoff disse que ainda não sabe a causa da morte de sua esposa porque o relatório da autópsia dela não foi divulgado. de acordo com a agência de notícias CBC.ca.

Gunther Holthoff disse acreditar que sua esposa foi negligenciada pela equipe do hospital.
Gunther Holthoff disse acreditar que sua esposa foi negligenciada pela equipe do hospital.
Ali Holthoff/Facebook

“Infelizmente, sinto que ela foi negligenciada e chegou a um ponto em que eles não podiam mais nos ignorar”, disse o marido enlutado aos repórteres.

Após a tragédia, a família da mulher e vários políticos da Nova Escócia pediram ao governo da província que explicasse por que o atendimento médico da paciente demorou horas.

O Departamento de Saúde e Bem-Estar disse na segunda-feira que a Autoridade de Saúde da Nova Escócia iniciou uma investigação para determinar o que aconteceu no caso de Allison.

“Precisamos mudar, o sistema obviamente está quebrado. Ou, se ainda não quebrou, não está muito longe”, disse Holthoff. “Algo precisa melhorar. Não quero que mais ninguém passe por isso.”

.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *